Podologia
O que é podologia?
História
Exercer podologia?
Risco do fenol
C.B.O.
Uso de luvas
Esterilização
Resíduos podólogico
Termos técnicos
Calçados
Ferida
Empresas Podologia
Postura Profissional
O que é hanseníase?
Onicogrifose
Laserterapia na Podologia
TCC

  Podopatias
Psoriase
Bicho-do-pé
Bolhas
Calos
Correção de unha
Disidrose
Micose de unha
Pé-de-atleta
Pé diabético
Pé infantil
Rachaduras
Unha
Unha encravada
Verrugas
Uso de Fressa
Alta Frequencia

USO DE LUVAS E DEGERMAÇÃO



   
       A boa higiene é um dos requisitos para a saúde do podólogo e demais profissões que têm como área de trabalho a pele humana. A cada dia, os profissional destas áreas vão evoluindo no Controle de Infecção Cruzada (CIC ) nos seus gabinetes, ou através da limpeza, esterelização, antissepsia dos equipamentos, ou pelo utilização de produtos descartáveis. A tendência do utilizar de produtos descartáveis de uso único para evitar risco de contaminação não é um fato recente. Se você analisar, esta preocupação vem de longe, e está presente em todos os aspectos de nosso dia - a - dia. É o caso de copos, seringas,agulhas, toalhas, preservativos, guardanapos e uma infinidade de produtos.
       Da AIDS à Hepatite ,existe uma série de vírus, bactérias, fungos (micose), colocando em risco a vida humana. Especificamente na PODOLOGIA, o Controle de Infecção Cruzada (infecção transmitida do paciente para o profissional ou vice-versa) são a principal preocupação. Tanto para o profissional como para o paciente (cliente), por isso, o uso de produtos descartáveis é fundamental e tem cada vez mais aceitação dos pacientes. As luvas, apesar de serem muito importantes, não são barreiras completamente impermeáveis, com freqüência sofrem perfurações e rupturas que comprometem sua função. Se ocorrer um acidente perfurante, removam as luvas, procedam a degermação e coloquem um novo par.

Padrão de Qualidade
 

       Considerando a existência em nosso mercado, de produtos abaixo dos padrões mínimos de qualidade, e diante da gravidade das enfermidades existentes de riscos de contaminação a que estão expostos os profissionais da área, a segurança promovida pela boa qualidade de luva de procedimentos nunca pode ser preterida. Recomendamos muito cuidado antes de adquirir o produto, verifique a sua qualidade na embalagem, procurando os selos de aceitação de instituições internacionais de qualidade como a americana FDA (Food and Drug Administration), com o respectivo número de referência e o Certificado ISO 9001 e 46001, para ter a certeza de estar recebendo proteção real. Assim que colocamos as luvas, um ambiente propício ao crescimento bacteriano é criado sobre a pele. Desta forma devemos utilizar sabonete líquido que contém na sua composição anti - séptico, um antimicrobiano (Riohex 0,5%, Glutiraldeído 2% ou Triclosan 0,25%), que reduz sensivelmente um grande número de microorganismos que vivem e crescem em nossas mãos. Assim, se um microorganismo (da flora normal ou permanente) for introduzido dentro das mesmas, estes produtos irão prevenir uma multiplicação de bactérias acima dos níveis aceitáveis. Uma degermação das mãos com substâncias antimicrobianas, antes de vestir as luvas e depois do atendimento aos pacientes, bem como em todas as vezes que houver contato com superfícies contaminadas, é um procedimento imprescindível. Queremos esclarecer aos profissionais, que não confundem degermação com uma 'lavadinha '. Devemos usar uma escova macia e sabão líquido com princípios ativos já citados anteriormente. A escovação deve ser no sentido cotovelo - unhas, as unhas são áreas críticas, portanto devem ser escovadas pelo menos dez vezes, e o enxágüe deve ser repetido com escovação no mesmo sentido (com outra escova). Para enxugar, o ideal é usar um secador de ar quente, uma compressa esterilizada ou toalha de papel descartável, pois as de tecidos contaminam - se com facilidade. Use sempre luvas novas e nunca, nunca mesmo, reutilize - as. Como diz o ditado: 'O barato, sai caro'.

Custo x Segurança
 
 
       O Custo de materiais descartáveis e a ausência da sensibilidade nas mãos são fatores negativos apontados pelos profissionais. O custo poderia ser minimizado com o uso de Autoclave, que por sua vez, é um aparelho caro. Acontece e já foi demonstrado que, após o uso, a luva pode apresentar microporos, quando não, macroporos, principalmente nos dedos indicadores e polegares. Quanto a ausência de sensibilidade, inúmeros testes comprovam que o uso de luvas não diminui a performance dos profissional em vários tipos de procedimentos. O que deve ser almejado é o hábito. Os pacientes aprovam o seu uso no preferem o uso mundo inteiro. Se o profissional se sentir muito prejudicado com este custo adicional (das luvas) , é melhor incluí - lo no preço do atendimento. Se o paciente reclamar ,então não use as luvas. É sinal que ambos se merecem por não respeitarem sua saúde. E aqui, uma palavra aos colegas que têm costume de usar relógio, anéis, pulseiras, alianças, unhas compridas, etc.: estes adereços não combinam com o Controle de Infecção Cruzada. A questão não é estética, mas técnica, não há como contestar. Despojemo-nos de tudo para trabalhar. Se o relógio de pulso é para o controle do tempo de atendimento, compremos um relógio de parede.
A degermação (lavagem de mãos) é um procedimento de comprovada eficácia para o Controle de Infecção Cruzada. Visa a remoção da flora transitória, células descamativas, suor, oleosidade da pele e ainda quando associado a um anti-séptico promove a diminuição da flora residente. O tempo da lavagem das mãos é importante, não só pela ação mecânica, mas também para obter o efeito desejado pela ação do anti-séptico. Anéis, pulseiras, alianças e relógio devem ser retirados antes de iniciar a lavagem de mãos. Observação: 'Colegas o uso de relógio, anéis, pulseiras, alianças, unhas compridas não combinam com o Controle de infecção Cruzada. A questão não é estética, mas técnica, não há como contestar e não confundir degermação com uma 'lavadinha'. Despojemo-nos de tudo para trabalhar se o relógio é para o controle de tempo de serviço compremos um relógio para parede ou de mesa. Lembre se assim que colocamos as luvas, um ambiente propício para o crescimento bacteriano é criado sobre a pele. Desta forma devemos utilizar sabonetes liquido que possui na sua composição um antisséptico, antimicrobianos, (Riohex ,Glutaraldeido 2% ou Triclosan 0,25%), que reduzem sensivelmente um grande número de microorganismos que vive e cresce em nossas mãos. E se um microorganismo (flora normal ou permanente) é introduzido dentro das mesmas, estes produtos irão prevenir uma multiplicação de bactérias acima dos níveis aceitáveis.
 
Lavagem básica de mãos com água e sabão líquido
 
       - Friccionar as mãos com água e sabão líquido por aproximadamente 15 segundos pelas diferentes faces, espaços interdigitais e unhas;
       - A escovação deve ser no sentido cotovelo - unhas, as unhas são áreas criticas, deve ser escovadas umas dez vezes, e o enxaguar se repita com escovação nos mesmos sentidos.
       - Enxaguar as mãos com água corrente;
       - Enxugar em papel toalha descartável ou secador;
       - Friccionar 3 a 5 ml de álcool glicerinado por 1 minuto pelas diferentes faces das mãos, espaço interdigital e dedos. Deixar secar espontaneamente.
       Indicações:
       - Sempre que entrar ou sair da gabinete podológico;
       - Sempre que estiverem sujas;
       - Sempre que manipular materiais ou equipamentos que estão ou estiveram conectados a pacientes;
       - No preparo de materiais ou equipamentos, durante seu reprocessamento
Antes de imprimir pense em sua responsabilidade e compromisso com o MEIO AMBIENTE !

Podólogo Orlando Madella Jr.
Av. Paulista, 807 - Conj. 1012
Fone: (11) 3266-4710



Cadastre seu email.
Receba noticias sobre podologia.




Desenvolvido por Madella - Soluções para Internet